Pular para o conteúdo principal

O que são os 72 Nomes Sagrados de Deus?


Os mantras em geral são muito curtos, um breve verso comportando algumas sílabas e com sentido bem claro. Mas eles também podem consistir numa extensa combinação de sílabas aparentemente desprovidas de sentido. Os “sons-semente”, formados de uma única sílaba e que terminam quase sempre por uma nasal, como o  “m” ou “n”, constituem mantras ainda mais complexos e enigmáticos. Dentro desta categoria, o mantra mais conhecido é OM (AUM), palavra que se diz contém a chave do universo. OM corresponde às três principais divindades – Brahma, Vishnu e Shiva.

Os mantras são compostos de diferentes formas. Eles podem ser os produtos de uma inspiração comunicada diretamente pelo Cosmos ou podem resultar também de uma meditação, e nesse caso, ser uma emanação do espírito inconsciente de um iogue. Alguns são recolhido sdiretamente no akasha, o éter cósmico ou memória universal, por adeptos de altíssimo grau; outros mantras são obras de poetas, cantores ou de místicos.

Muitos mantras, considerados dentre os mais eficazes, foram compostos através de um dos vários métodos usados para reduzir a uma curta fórmula hermética toda uma obra importante. Este procedimento é, às vezes, utilizado em proporções inimagináveis. É desta forma, por exemplo, que um livro sagrado contendo milhares e milhares de versos pode ser resumido num só capítulo. Este capítulo pode, em seguida, ser reduzido a um só parágrafo, depois a um verso, e finalmente, a uma única sílaba. Esta sílaba última tem um poder tão grande que, de forma análoga a um micro ponto da moderna computação, encerra a essência de todo o tratado. O domínio desse mantra conferirá imediatamente ao discípulo uma compreensão intuitiva do conjunto do texto.

Além de OM, existem outros mantras do tipo “som-semente”, tais como KRIM, HRIM, VAM, GAM, RAM, SHRIM, etc., cujas vibrações são inicialmente concentradas e depois projetadas, seja para o interior de si mesmo, seja para o exterior, na forma de invocações, ordens, bênçãos com o propósito de agir como instrumento de proteção, de poderes curativos e armas de defesa.

Os mantras “internas” são dirigidos para uma parte do corpo, tal como a cabeça, o espaço entre as sombrancelhas, o plexo solar ou os órgãos sexuais, onde produzem vibrações de energias precisas. Dessa forma, os mantras orientais dirigidos para o crânio provocam ressonância nos alvéolos do cérebro, criando um tipo de iluminação mística. Afirma-se mesmo, na mantra ioga, que certos mantras efetuam uma viagem circular no corpo humano, e que suas reverberações provocam o desaparecimento de tecidos usados e gastos, substituindo-os por tecidos novos. Os mantras podem ser dirigidos para uma parte específica do corpo que tenha necessidade de ser revigorada ou curada.

Acredita-se que existe um mantra para todos os estadose todas as doenças e, melhro ainda, para todos os problemas, de qualquer natureza. Todos podem ser resolvidos com a entoação dos sons convenientes e apropriados, porque cada mantra é um som, e as vibrações sonoras constituem a própria base do universo. As doutrinas orientais atribuem enorme importância ao conhecimento e uso dos mantras.

É comum admitir que os efeitos de um mantra são reforçados com a repetição do mesmo: a entoação sem fim da fórmula aumenta o efeito de seus benefícios. O mantra age sobre o espírito, permitindo gradualmente ao praticante compreender seu significado profundo. Sua constante repetição, sobretudo quando combinada com os pranayanas, ou técnicas respiratórias, contribui para suscitar um estado de transe e provocar uma iluminação mística. O mantra penetra nos reinos sobrenaturais, e de certa forma, compele os deuses a responder às preces que lhes são feitas. Se uma pessoa repete (com correção) cem mil vezes um certo mantra que objetiva poder, homens e mulheres lhe obedecerão implicitamente; se essa pessoa o repete duzentas mil vezes, ela poderá dominar todos os fenômenos naturais; com um milhão de vezes, conseguirá a faculdade de viajar através de todo o universo. Utilizam-se rosários especiais para controlar o número de repetições. São feitos geralmente de grãos secos, enfiados num cordão.

Por meio de um único mantra pronunciado em voz alta, ou murmurado, ou repetido mentalmente, pode obter aquilo que procura, pois todas as coisas são formas de manifestação do som. E o próprio Brahma é o Som do qual se nutre o universo.Hoje em dia, o uso de expressões védicas em assuntos místicos, esotéricos, ocultismo, é tão comum que fazem algumas palavras começarem a ter o seu sentido deturpado, às vezes, vulgarizado.


Palavras que têm sua origem no sânscrito, a Língua Mãe, tais como: guru, karma, dharma, samsara, maya, budha, yoga, nirvana, tantra, mantra, são usadas, muitas vezes, em sentido completamente corrompido, por pessoas inescrupulosas ou mal informadas.

Entre as palavras supracitadas, o mantra, circunstancialmente vem sendo confundido com palavras mágicas, orações, fórmula milagrosa, feitiçaria, ou mera superstição, completamente distante de seu sentido real e científico.

O mantra não é um oração porque nelas o devoto escolhe as suas próprias palavras. O mantra não é mágica porque não deve ser usado para interferir no curso dos fenômenos naturais e nem se trata de fórmula milagrosa porque é uma regra, uma lei, e não um fato isolado sem explicação.

Os mantras são tecnicamente estudados no Tantra Shastra (escritura védicas apropriadas para a era atual, Kali-yuga). Os mantras são representações sonoras das Divindades, assim como as imagens são Suas representações formais. O nosso mundo é constituído de nomes e formas (namarupa).

No princípio era o Verbo (OM), e o Verbo estava com Deus (Brahman), e o Verbo era Deua... Todas as coisas foram feitas por intermédio Dele, e sem Ele nada do que foi feito se fez (João 1.1-3).

Nas escrituras védcas aprendemos que o mantra original é o OM, formado pelas três letras A. U. M, significando: Brahma, Vishnu, Shiva – o princípio da criação, manutenção e dissolução (ou absorção) do Universo.

Do OM saem todos os demais mantras, conforme ensina a ciência do Mantravidya, que podem ser constituídos por algumas das 50 letras do alfabeto sânscrito chamadas de matrikas (matrizes, ou mãezinhas). Os mantras monossilábicos são chamados de vijas (semente) e são vocábulos inestimológicos. O OM é o bija que dá origem aos demais bijas tântricos.

É ensinado que o Mantra é formado por um conjunto ordenado de letras em certa e determinada seqüência sonora. Para que produza os efeitos específicos é necessário entonação apropriada com relação ao som e ritmo. Se o mantra for traduzido, ele perde a sua potência como tal (shakti), tornando-se mera palabra ou frase.

Nota: os mantras devem ser pronunciados somente na língua sânscrito.

O mantra precisa ser despertado (prabuddha) do mesmo modo que qualquer forma de energia (shakti) para se obter o resultado esperado. O conhecimento do seu significado é uma condição necessária, mas não suficiente, para produzir bons frutos. De igual modo, uma devoção ignorante não é uma condição ideal. O princípio é a união do som com a idéia através do conhecimento do mantra e seu significado, ou seja, se unifica com o objeto em que concentra a sua mente.

O mantra no qual a Deidade se revelou pode revelá-la para o devoto iluminado ou para iluminá-lo. O mantra é a Divindade em forma de vibração sonora. Mediante a recitação (japa) constante do mantra se atinge o Mantrasiddhi (perfeição) que é quando o devoto alcança a unidade com o seu objeto de culto, a Divindade do seu mantra. Nesta unidade, o sadhaka (devoto) torna-se um mantrasiddha. A japa é feita em estado de recolhimento e meditação, absorção no mantra para, no final, ser absorvido na Divindade. Não tem nada haver com a crítica que Jesus fez às vãs repetições; ele se referia exatamente às vãs repetição e não às práticas mântricas em estado meditativo.

Esta é a prática (sadhana) recomendada pelo Tantra Shastra e confirmada por diversos Avatares para esta nova era (yuga). Ela não é um processo de repetição mecânica, pois de nada adiantaria. Diz-se que a prática da japa é como o homem que sacode o outro para acordá-lo, despertá-lo. Os Tântricos ensinam-nos que os lábios do devoto ao se movimentarem para pronunciarem o mantra são como Shiva e Shakti em maithuna (relação sexual), que finalmente concebem a Deidade adorável do devoto. Deidade esta que é uma expansão do Absoluto (Brahmam), que por amor aos Seus devotos manifesta-se neste mundo de formas e nomes. Nesta ocasião, o iniciado diz: Eu e o Pai, somos um só. Eu Sou.

Comentários

  1. "O mantra não é um oração porque nelas o devoto escolhe as suas próprias palavras. O mantra não é mágica porque não deve ser usado para interferir no curso dos fenômenos naturais e nem se trata de fórmula milagrosa porque é uma regra, uma lei, e não um fato isolado sem explicação."

    Mesmo que o mantra não DEVA ser usado para interferir no curso dos fenômenos naturais, ele PODE ser usado para isso.
    Então, o mantra é, também, uma fórmula mágica.É o que me parece.
    Alguém pode responder?Alguém pode me orientar?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Práticas

O sexto chakra - Chakra Frontal – “Terceiro olho”

Nome: Ajna Meridianos: os do chakras umbilical – fígado, pulmão, vesícula biliar, intestino grosso. Glândula Endócrina: hipóse (pituitária) localizada na base do crânio. Hormônios: vários hormônios que regulam o crescimento e o mestabolismo, dentre eles a Vasopressina (anti-diurático), pituitária. Cor: Índigo Corpo Áurico: celestial Planeta: Urano Vitamina/mineral: Complexo B e magnésio Pedro Preciosa: água marinha Tom Musical: lá Símbolo: lótus de noventa e seis pétalas Raio: verde-cristal Sentido: todos e percepção extra-sensorial Mantra: Om (Compreensão) 
Localiza-se na região mediana da testa. Este é o chakra esotérico e orgânico, correspondente à glândula pituitária. É o responsável pelo redirecionamento das energias da força do desejo/atração pessoal (chakra do umbigo) para a oitava vibratória superior relacionada ao nível de liderança e administração carismáticas e responsáveis. Irradia as cores primária: amarelo, alternando com azul intenso, que em pessoas desenvolvidas em bordas viole…

ALGUMAS PESQUISAS COM TERAPIA REIKI

Servidores da área médica reconhecem que Reiki tem seu valor. Este é o motivo pelo qual o Reiki tem sido tem sido introduzido e utilizado em centenas de hospitais e clínicas em vários países. Médicos, enfermeiros e outros membros da área médica acreditam que Reiki é efetivo para reduzir os efeitos colaterais de radiações e drogas. Também acreditam que Reiki reduz e/ou elimina a necessidade de medicações para dor, reduz a ansiedade e stress, acelera o processo de cura diminuindo o tempo no hospital, ajuda a abrir o apetite e melhora o sono.
Por que os Hospitais Gostam de Reiki? Os hospitais estão passando por grandes mudanças. Eles experienciam a necessidade de reduzir seus custos e ao mesmo tempo aumentar os cuidados aos seus pacientes. Com o modelo antigo os hospitais baseado em altos custos com medicamentos e tecnologias, eles passaram a viver um problema. Isto não se aplica ao Reiki e a outras terapias complementares. Reiki não requer tecnologia e muitos de seus praticantes trabalha…